terça-feira, 20 de maio de 2008

Tiradas mágicas e sorrisos amarelos

Gostava de saber o que é que vem a seguir a um sorriso amarelo, mas não sei. Pura e simplesmente não sei o que fazer ou como reagir quando ouço a piada mais seca do mundo. Pior, quando ouço a mesma piada todas as semanas, e ela não tem graça nenhuma.
À sexta-feira, já sei. Se vou comprar o jornal ao pé do trabalho, já sei o que me espera. Chego ao quiosque, peço o Público, preparo-me para agarrar na carteira e tirar as moedas, quando o senhor do estaminé dá ares de que está à procura do preço no cimo da página e diz:

Ora beeeeeeeem. Como é para si - e só porque é para si, hein? - é um euro e trinta e cinco.

Exactamente o preço que lá está marcado. E é isto sempre. Sempre sempre que lá vou.
Nesta última sexta-feira então foi irreal. Já estava eu com a cara número 42, a pedir a todos os santinhos que ele não se saísse com aquela , que-eu-já-tenho-um-dia-difícil-porque-sexta-é-dia-de-fecho-e-esta-é-a-minha-hora-de-almoço-e-passo-bem-sem-pretendentes-a-comediantes-sem-graça-nenhuma, quando a criatura não só se sai com a mesma de sempre

Ora beeeeeeeem. Como é para si - e só porque é para si, hein? - é um euro e trinta e cinco

como ainda há alguém, que só pode ser alguém com muito pouca sorte na vida, que diz:

Epá, você é um mãos largas.

Por isso é que eu digo que não sei - não sei - o que é que vem a seguir ao sorriso amarelo. Não me sai nada, nem uma ideia genial nem uma tirada ainda mais mágica para resposta.
Como há bocado: ligo para um restaurante indiano, a perguntar se têm take away e como é que funciona, e quando pergunto se posso encomendar tudo o que está na ementa, o senhor indiano lá do outro lado da linha responde:

Sim, se quiser até me pode encomendar a mim.

E eu, claro, o que é que eu fiz? Respondi: "Haaaaaa haaaaaaa..."
Que é a versão telefónica do sorriso amarelo.
Pois.

4 comentários:

>> nim disse...

nesses casos, tenho a capacidade de fazer a cara de mau humor nº 25, e que elimina qualquer possibilidade de piada por parte de outrem.

enfim, és tu com a cara nº 42, e eu com o sorriso de bolso do mesmo número.

acho que andámos na mesma escola de disfarces.

beijinho

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

A falta de imaginação dos portugueses e a incapacidade de perceberem o sentido de oportunidade das coisas vem-se acentuando de uma forma devastadora. São muito loquazes, mas pouco práticos; muito teóricos, mas pouco eficazes; muito rabugentos, mas pouco contestatários. Já não sei se isto é um povo, ou um quase povo.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Deixei-lhe um desafio no meu blog, para espairecer. ´Se não quiser aceitar, não tem problma, mas gostaria que rspondesse ao desafio...

misskitsch disse...

Enfim... É aguentar o sorriso até doerem os músculos da cara. Não se pode fazer mais nada.

Beijinho