domingo, 4 de maio de 2008

Antes de ter nascido

A propósito dos 40 anos do Maio de 68, o Público foi a seis faculdades saber se os estudantes sabiam o que tinha sido o Maio de 68. Em 309, 60% não sabiam, sendo que a diferença era abissal entre os que pertenciam a faculdades de ciências sociais e humanas (75% sabiam o que era) e os que pertenciam a universidades técnicas (70% não sabiam). Tirando as várias pérolas que os jornalistas ouviram e transcrevem sobre o que foi a revolta de 68 – “o primeiro ano em que se comemorou o 1º de Maio” (!) ou “foi quando o Marcello Caetano subiu ao poder e se discutiram subsídios, férias e políticas de habitação” (!!!) – houve uma aluna do Técnico que se saiu com esta:

“Em 68 ainda não tinha nascido, como é que querem que saiba?”

Oh, claro, que parvoíce de pergunta. Para quê estudar milhares de anos de História se aconteceram antes de termos nascido? Qual o interesse, se aconteceu há 30, 40, 600 anos? Queimem-se já os manuais. Faça-se outra revolução cultural.

2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Pois é, Juliette, a vida hoje parece começar no presente, como se tudo que ficou para traz não tivesse qualquer importância. O problema não e dos jovens... é do azar de sermos governados há mais de duas décadas por economistas e engenheiros, que pensam que o mundo se construiu num "puzzle" explicado ao milímetro pela evolução tecnológica e/ou dos mercados e não pela nossa essência.
Eles são parvos, mas não há nada a fazer....

>> nim disse...

felizmente, não li esse artigo.

'à bas le vieux monde!'

beijo