quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Na mesma tarde...

... Uma amiga que faz contas à vida para ver se pode ter um filho e diz que um dia destes talvez vá em frente porque sempre teve qualquer coisa de kamikaze; outra amiga que está cansada de empregos-que-equivalem-a-pensos-rápidos e pela primeira vez pensa seriamente em emigrar porque não tem dinheiro para pagar as contas do próximo mês; uma terceira amiga que é avisada ao dia 7 de Novembro que não vai receber ordenado até ao final do ano e é suposto continuar a ir trabalhar e dar sempre mais e ainda planear as festas felizes e os presentes pelo meio, ho ho ho. As três a falarem disto na mesma tarde, a terem de lidar com isto ao mesmo tempo, como que unidas por uma estranha e injusta fraternidade.
Ontem um colega meu riu-se às gargalhadas quando outra colega disse "quando a crise acabar acho que isto e aquilo". Foi o mesmo riso de quem ouve alguém dizer que vai à lua passear num balão de ar quente e foi tão espontânea a descrença que eu ri-me com ele. Mas hoje vi angústia e falta de esperança em pessoas de quem gosto muito. E não sei se ria se chore.

15 comentários:

Carolina Duarte disse...

Identifiquei-me bastante com este post. Sempre quis ser mãe entre os 25 e os 26, e apesar de ainda não ter chegado lá, não acredito muito que isso se venha a concretizar. Recebo o ordenado atrasado muitas vezes, até já brinquei com isso no blog. O triste é mesmo acharmos que tem de ser assim, pq não há outra hipótese. Não chores, e dá força às tuas amigas, que elas bem precisam :)

http://alguemquemecale.blogspot.pt/

Juanna disse...

Chora. Eu cá choro por dentro. A crise não vai acabar porque a crise está dentro de mim, de ti, de todos. Aceitámos uma UE que está, claramente, a dar merda em vez de dar cartas. E ninguém sentadinho no poder vai alterar o quer que seja.

flor disse...

Por vezes dá mesmo vontade de "rir" porque a descrença no fim da crise já é de tal ordem que ter esperança num Portugal melhor parece ser algo de outro mundo! Por vezes dá vontade de chorar, quando nos deparamos com situações de pessoas que lutam diariamente para dar a volta a esta porcaria...

A. disse...

Pois que hesitei deixar por aqui, boiante nestas águas translúcidas, um comentário. Mas depois de trambolhar no seu blog, a verdade é que preciso de trocar umas impressões que a autora de prosa elegante e desempoeirada.

Se fizer sentido (who am I kidding, não faz absolutamente nenhum), escreva para afonsodagama@gmail.com

P.S. please, faça uso da moderação e censure este comentário, não o deixando visível.

Thanks.

A.

Maria Pitufa disse...

Olha nestas alturas o melhor que podes fazer é ouvi-los e dar-lhes o apoio que eles precisam.

chinfrim disse...

Acho que estamos num ponto em que abraços e palmadinhas nas costas com promessas de que as coisas vão melhorar já não pegam. Se querem que as coisas mudem, têm de lutar. E a luta faz-se nas ruas, em ações diversas como manifestações, greves, bombas, etc; ou a um nível mais pessoal (e até cibernético), através de um passa-palavra que abra os olhos a quem ainda anda a dormir e acha que "merecemos" o que se abate sobre nós ou que "tem de ser". Se do lamento se passar à ação, já se ganhou alguma coisa. Fica a ideia para as tuas amigas... e desejo-lhes boa sorte.

Ana Paixão disse...

it's sad..

Mafaldinha disse...

é bem verdade, descrença total no nosso país. não está fácil por aqui, sem perspectivas de futuro. o q esperar.. da força as tuas amigas é nessas alturas q vemos o q vale amizade.

A. disse...

Bom, foi também demasiado rápido (meteórico, até) ter alguém com dedos cultos, mas tão inconsequentes como analisar modas através das montras, a escrevinhar por estas bandas.

Desculpe a invasão. Pelos vistos não lhe interessa.

Fique bem.

(censure este também, if you will)

S* disse...

Isto anda doloroso.

fish and chicks disse...

Também o meu irmão andava com a eterna questão de ter filhos ou nao numa altura como estas. Felizmente já seguiram em frente :) dá força às tuas amigas. É altura de sermos todos criativos e arranjar estratégias para lidar com esta porcaria da melhor maneira possível.
Gostei do blog, vou seguir*

Sapato 42 disse...

olha,ao menos podes estar com as tuas amigas...apesar de ser licenciada não encontrei trabalho e tive de deixar a minha vida normal e ir viver para casa dos meus pais na aldeia,um local onde não existe nada e onde os meus amigos estão a algumas dezenas ( ou centenas) km de mim...isto é muito chato :/

Patrícia Teodoro disse...

e ºe tão triste, tão triste as pessoas deixarem de acreditarem e consequentemente deixarem de ter sonhos...que tristeza meeesmo

Bluebluesky disse...

acho q este é o único caso em que rir NÃO é o melhor remédio, porque isto já lá não vai com gargalhadas...

Chicca Maria disse...

Acho que está mesmo é para chorar! E não me parece é que as lágrimas vão ser suficientes para o tempo de crise que vamos ter...