quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Desconhecia a rivalidade que há entre o Algarve e Lisboa…

…até assistir a uma discussão entre um louletano e uma lisboeta, e à mínima ele atirar: “Vens para aqui armada em dondoca, vai mas é para Lisboa comer pão no metro.
E agora eu pergunto: a relação entre Lisboa e o metro eu até percebo. Mas a relação entre Lisboa, o metro e comer pão – pão, carcaça, bola, papo-seco, baguete, cacete – essa ultrapassa-me.

Alguém me explica, por favor?

15 comentários:

Marta disse...

Acho que era mais no sentido de não comer o pão, que neste caso significa todo o tipo de sustento, de uma terra que não é dela.
Basicamente está a mandá-la embora lol

Emma Bovary disse...

lol.. e eu a pensar que os lisboetas só não gostavam dos nortenhos.. ah e tal a velha piada do "o que mais gostamos no porto é a placa a dizer lisboa".. lol afinal os lisboetas não gostam é de ninguém!! :D

Mei disse...

:D
Acho que há é um complexo de certas pessoas de certos locais, que se sentem inexplicavelmente diminuídas relativamente aos lisboetas. Vejo os lisboetas a gostarem de toda a gente, a irem para todo o lado. São sem dúvida menos comodistas e mais abertos a conhecer outras culturas.
Eu vivi no Porto e queria mesmo viver lá, mas mal sabiam que era de Lisboa, alguns portuenses tornavam a conversa desagradável, como se ficassem possuídos de repente pelo vírus da raiva. Acho que o complexo de inferioridade que acompanha o complexo de interioridade, como qualquer complexo desta espécie, só afasta as pessoas e coloca o foco no que as separa em vez de iluminar o que as une, que é sermos todos portugueses e gente porreira! :)
Beijocas! :*

Ana disse...

Os algarvios preferem os portuenses e os nortenhos em geral que são mais simpáticos e menos pedantes que a maioria dos lisboetas.

Maria disse...

Por favor, quando é que deixam de se sentirem diminuidos? O que intressa é de onde somos ou o que somos? Gente coplexada,se fosse tudo do mesmo sitio e de um sitio"ruim" tava bom tava. Aprendam de uma vez por todas a viverem em sociedade e respeitarem o espaço de cada um de nós. Pensem que estamos só de passagem por cá, tentem fazer uma passagem no minimo boa, quando chegarem à idade mais, muito maias madura, vão olhar para tras e dizer, que bom é que é viver, eu vivi da melhor forma...o ar de todos

Ama disse...

Eu sou portuense e não me sinto diminuída em nada :)
Aliás toda a gente sabe que, na generalidade, somos simpáticos, prestáveis e hospitaleiros!

Sweet Chic disse...

Ultrapassa-me completamente!!!! comer pão no metro portanto... estranho.

Um beijinho muito chic

mary ♥ disse...

Ah ah xD Realmente . Acho que a marta tem razão.

trapos e companhia disse...

Olá, gostava de convidar-te a conhecer o meu blog.
É um blog de venda de roupa calçado e acessórios de moda.
É um sítio onde podes encontrar tudo o que uma mulher gosta, a preços muito em conta. Com oferta dos portes de envio para encomendas de valor igual ou superior a 5 euros. Aprovei-ta e boas compras.
http://trapos-companhia.blogspot.com/

The one you know disse...

Todas as vezes que ando de metro levo um pãozinho para mordiscar...

ChicLisboa disse...

ahahahha, não faço a ideia a relação mas que tem muuuuita piada tem!!

Débora disse...

"Eu vivi no Porto e queria mesmo viver lá, mas mal sabiam que era de Lisboa, alguns portuenses tornavam a conversa desagradável, como se ficassem possuídos de repente pelo vírus da raiva."

Mei, eu sou do Porto e estou a viver em Lisboa e sinto o mesmo. Por isso, não acho que seja culpa só do Porto. Acho que é de parte a parte.

Cat disse...

Essa ultrapassa-me!

Mei disse...

Débora,
És muito bem-vinda a Lisboa! :)
O meu messenger é marisajamaica@hotmail.com
Se quiseres um tour gratuito e beber um refresco terei muito gosto em acompanhar-te! Ehheeheh!
Beijoca,
Marisa

costela de adão disse...

Não gosto de generalizações mas que ainda há muito pessoal de Lisboa com a mania que "Portugal é Lisboa e o resto é paisagem", há! E em relação ao Algarve, basta observá-los nos meses de Julho e Agosto para perceber a arrogância, o desdém, a mania de que são muito bons. Se assim é, não sei porque se deslocam à Parvónia (deve ser a opinião sobre esta e outras províncias do País). Repito, não gosto de generalizações, mas que há muitas pessoas assim, há. E nada tem a ver com complexos ou sentimentos de inferioridade como já foi referido nos comentários. É a realidade.